Gêneros e Ferramentas Digitais: Blogs e Chat

Existem inúmeros gêneros e ferramentas que se desenvolvem no ciberespaço – cada um com modelos próprios. Entretanto, pode-se dizer que praticamente todos eles possuem as características básicas do hipertexto e da comunicação em rede. Aqui falaremos sobre os blogs e o chat, dando sequência ao estudo dos gêneros digitais.

Os Blogs

Os blogs são cada vez mais comuns na internet e definem-se como diários virtuais. Possuem estrutura dinâmica e atualização rápida. Como os propósitos comunicativos são muito diversos em cada blog, os aspectos linguísticos dos hipertextos são heterogêneos, variando conforme o objetivo a ser alcançado.

Existem alguns serviços gratuitos na internet que permitem a criação de blogs, como o Blogger e o WordPress. O processo é rápido, não exige conhecimentos profundos de programação e envolve inicialmente a escolha de uma identidade visual (layout) adequada ao conteúdo a ser veiculado.

As postagens ou posts consistem no conteúdo hipertextual básico, geralmente envolvendo a presença de links, vídeos e imagens. O blog segue uma atualização cronológica de postagens (diária ou semanal, por exemplo) e em cada um dos posts há a opção “deixar um comentário”.

Os usuários que acessam o conteúdo podem, portanto, expressar suas opiniões, relacionar o conteúdo a outros materiais existentes na internet e até mesmo propor uma correção. Há também os chamados seguidores – usuários que acompanham, declaradamente ou não, o desenvolvimento do blog. O autor do blog – que, não raro, possui um perfil de usuário (pequeno texto com informações biográficas) – pode conhecer os blogs de seus seguidores, havendo assim a interação entre pessoas (muitas vezes distantes geograficamente). Por outro lado, o autor de um blog tem sempre possibilidade de escolha em relação aos elementos, de modo que há blogs sem seguidores e cujas postagens não podem ser comentadas.

Como foi dito, existem blogs envolvendo vários temas e uma gama de gêneros textuais distintos entre si. Entretanto, é possível afirmar que as postagens possuem um grau de formalidade maior em comparação a outras produções digitais. Elas são planejadas e, portanto, não costumam carregar reduções linguísticas ou o “internetês” – termo aplicado para designar a forma como os usuários (sobretudo os jovens) fazem uso da língua em comunicações digitais mais espontâneas.

O Chat

O chat é um gênero digital com características marcantes: trata-se da tentativa de reprodução de um conversa face a face no ambiente virtual por meio da escrita. Nos chats, ocorrem sessões de bate-papo interativas entre dois usuários (bate-papo privado) ou entre vários usuários (bate-papo aberto). Vale ressaltar que os participantes de um chat devem estar conectados simultaneamente ao serviço. É possível que o usuário esconda sua verdadeira identidade adotando um nome fictício (nickname).

É muito importante notar que o chat reúne, ao mesmo tempo, características da fala e da escrita, o que leva muitos autores a considerá-lo um gênero misto. Para atingir os propósitos comunicativos tendo em vista a rapidez e a interatividade, os usuários usam a língua de maneira peculiar. É comum a presença de termos reduzidos, como “vc” (em lugar de “você”), “qd” (em lugar de “quando”) ou “tá” (em lugar de “está”). Essas formas reduzidas, muito presentes na fala espontânea, amplificam-se nos chats, a fim de que se consiga escrever com velocidade e simular as características de uma conversa presencial. A comunicação desenvolvida nos chats é, portanto, essencialmente informal.

Outras características do gênero são o uso de emotions – ícones que expressam sentimentos/sensações (alegria, tristeza, surpresa, desapontamento, etc); o uso de interjeições, onomatopeias e sinais de interrogação ou exclamação sucessivos para conferir maior expressividade à conversa, além da pequena extensão das falas nos diálogos.

Compartilhe conhecimento...