Resumo da Obra “As Veias Abertas da América Latina”

Obra: GALEANO, Eduardo. As Veias Abertas da América Latina. Porto Alegre: L&PM, 2015.

INTRODUÇÃO (“120 MILHÕES NO CENTRO DA TORMENTA”)

Galeano nos convida a questionar a suposta alegação de que a miséria na América Latina decorre do crescimento/tamanho de sua população quando se sabe que muitos países latino-americanos têm baixa densidade demográfica e muita terra para a produção. Na verdade, a campanha contra a fecundidade, encabeçada pelos Estados Unidos, surge como um meio de justificar a desigualdade social e os absurdos do sistema capitalista. Nega-se o direito de nascimento dos latino-americanos, porque é mais fácil combater esta ideia do que milhares de jovens engajados.  

No período em que o livro foi escrito, década de 70, houve, por exemplo, forte campanha de estímulo ao uso de métodos contraceptivos na população da Amazônia, por iniciativa dos Estados Unidos, principalmente porque o povoamento da região contraria seus interesses econômicos.

Continue lendo
Compartilhe conhecimento...

Resumo Enem: Água

TERRA: PLANETA ÁGUA

A água (H2O) é uma substância inorgânica essencial à vida e uma das mais abundantes no nosso planeta. Estima-se que mais de 70% da superfície da Terra seja coberta por água.

FUNÇÕES NOS SERES VIVOS

A água participa de praticamente todas as reações químicas imprescindíveis aos seres vivos. Algumas funções: capacidade de dissolver inúmeras substâncias; transporte de substâncias; regulação da temperatura corpórea; ação lubrificante nas articulações ósseas; participação na fotossíntese…

Continue lendo
Compartilhe conhecimento...

Resumo do Texto “Mercados que Desglobalizam: o Cinema Latino-americano como Minoria”

Texto: CANCLINI, Nestór García. Mercados que desglobalizam: o cinema latino-americano como minoria. In: ______. Diferentes, desiguais e desconectados: mapas da interculturalidade. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2005.

RESUMO LIVRE

O texto trata, em linhas gerais, da articulação de três fatores: o aspecto excludente do processo globalizante; a conversão de conjuntos populacionais majoritários em minorias (no contexto global); e a distinção entre minorias demográficas e minorias culturais. O autor discute tais ideias por meio da análise da circulação e aceitação de produtos culturais “minoritários” (em especial dos cinematográficos) no âmbito transnacional.

Continue lendo

Compartilhe conhecimento...

Resumo da Obra “Sem Logo” – Marcado Mundo Novo

Texto: KLEIN, Naomi. Marcado mundo novo. In: ______. Sem logo: a tirania das marcas em um planeta vendido. Rio de Janeiro: Record, 2003.

RESUMO LIVRE

Naomi Klein aborda de forma crítica uma questão fundamental nas discussões sobre capitalismo e globalização: o valor atribuído às marcas. Quando a autora escreveu o livro, ela intentava gerar um movimento de oposição a corporações transnacionais – ela expõe, assim, todo o processo que levou à supervalorização da marca em detrimento do produto.

Continue lendo

Compartilhe conhecimento...

Resumo da Obra “Para a Crítica da Economia Política” – A Mercadoria

Obra: MARX, Karl. Para a crítica da economia política. In: ______. Os pensadores: Marx. São Paulo: Abril Cultural, 1985.

Livro I – Primeiro Capítulo: A Mercadoria

No primeiro capítulo do Livro I, Marx analisa a mercadoria e sua dupla existência como valor de uso e valor de troca.

Em linhas gerais, o valor de uso está diretamente ligado ao consumo, à satisfação de uma necessidade, e diz respeito às propriedades inerentes a determinada mercadoria, ao fim para o qual ela foi produzida. O trabalho que produz o valor de uso é trabalho particular (o padeiro produz pães, o sapateiro produz sapatos).

Continue lendo

Compartilhe conhecimento...

Resumo da Obra “Para a Crítica da Economia Política” – Introdução e Prefácio

Obra: MARX, Karl. Para a crítica da economia política. In: ______. Os pensadores: Marx. São Paulo: Abril Cultural, 1985.

Introdução [à Crítica da Economia Política]

Karl Marx analisa a produção material e sua relação com o consumo, a distribuição e a troca (circulação). Ele afirma ser errônea a visão do indivíduo como conforme à natureza (em oposição ao indivíduo como resultado histórico) e classifica a consolidação da sociedade burguesa no século XVIII como o ápice do desenvolvimento das relações sociais.

Marx aponta a necessidade de distinção entre a produção em geral, os ramos de produção particulares (a agricultura, a pecuária, a manufatura) e a totalidade da produção. Criticando os economistas de sua época, comenta a tendência daqueles a representar a produção “como regida por leis naturais, eternas, independentes da História; e nessa oportunidade insinuam-se dissimuladamente relações burguesas como leis naturais, imutáveis, da sociedade in abstrato”.

Continue lendo

Compartilhe conhecimento...

Resumo do texto “Modo de endereçamento: uma coisa de cinema; uma coisa de educação também”

Obra: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Nunca fomos humanos: nos rastros do sujeito. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

Texto: ELLSWORTH, Elizabeth. Modo de endereçamento: uma coisa de cinema; uma coisa de educação também.

Modo de endereçamento é um termo dos estudos de cinema que pode ser definido pela seguinte pergunta: quem este filme pensa que você é?

Elizabeth Ellsworth aborda alguns possíveis significados do modo de endereçamento: 1) algo inerente ao texto do filme e que age sobre o espectador; 2) um evento resultante da interação entre o texto do filme e o espectador; 3) um conceito que pode ser aplicado também a outras áreas (educação, estudos culturais, psicanálise).

Os produtores de determinado filme idealizam o tipo de indivíduo para o qual sua obra é endereçada. Essa idealização deixa marcas intencionais e não intencionais ao longo do filme. Assim, um filme seria composto não apenas de imagens e de trama, mas também de uma estrutura de endereçamento voltada para um espectador idealizado.

Continue lendo

Compartilhe conhecimento...