Usos da Língua e Variação Linguística

Quando falamos ou escrevemos, utilizamos a língua de diversas maneiras e com diferentes propósitos. Através da linguagem, interagimos com o mundo à nossa volta e nos socializamos. Seja escrevendo um e-mail para apresentar algum produto ou serviço, seja numa conversa trivial com amigos ou ainda na produção de um poema, fazemos diferentes usos da língua, a depender do nosso propósito comunicativo.

Como exemplo alegórico do que foi dito, poderíamos pensar nas propagandas que vemos diariamente na televisão. Nesse caso específico, o objetivo do gênero é nos apresentar um produto ou ideia a fim de obter a nossa adesão. Para isso, são utilizados inúmeros recursos – visuais e textuais. Os textos são geralmente objetivos, mas com “jogos linguísticos” que chamam nossa atenção. Não raro percebemos pitadas de ironia e humor e o uso do imperativo (“beba coca-cola”, “compre batom!”, por exemplo). Como o imperativo é o tempo verbal usado para fazer pedidos ou dar ordens, nas propagandas ele intenciona aumentar a chance de consumirmos tais produtos.

Língua e Sociedade

É interessante notar que um sistema linguístico é um fenômeno social e está diretamente ligado à teia de relações que integra o convívio em sociedade. Justamente por isso, toda língua apresenta uma gama de possibilidades para dizermos o que queremos dizer.

No caso do Brasil – em que coexistem heranças culturais e étnicas distintas –, sem falar no tamanho do nosso território, nada mais natural que o português brasileiro seja riquíssimo em construções linguísticas. A própria heterogeneidade dos falantes proporciona uma língua heterogênea. Mas não devemos pensar que ela é estática. Muito diferente disso, imaginemos nossa língua como um organismo vivo – em constante movimentação ao longo do tempo e do espaço. Imaginemo-la como um rio caudaloso, um sujeito coletivo, repleto de variedades e recursos linguísticos à disposição de todos nós quando iniciamos um ato comunicativo.

A variação linguística

Admitir que toda língua natural sofre variação é comprovar a sua heterogeneidade e as inúmeras possibilidades que ela comporta. A variação linguística é o fenômeno através do qual toda língua se diferencia carregando realizações linguísticas distintas que, embora possam se opor em determinado contexto, são possíveis pelo sistema. A variação abrange todas as grandes áreas da língua (Sintaxe, Fonética/Fonologia, Morfologia, Léxico e Semântica) e ocorre devido a fatores geográficos, históricos, estilísticos e socioculturais.

Operários (1933), Tarsila do Amaral.

As formas de variação – considerando a sua realização prática – são chamadas de variedades ou variantes linguísticas. Por exemplo: no Brasil, a depender do estado, existem algumas variantes para a palavra “mandioca”, como “aipim”, “macaxeira”, “pão-de-pobre”, dentre outras. A fruta “tangerina” também possui outros nomes, como “ bergamota” ou “mexerica”. Perceba-se que nesses casos temos exemplos de variação geográfica, muitas vezes atribuída à distância em que se encontram os falantes, e podemos dizer que ela ocorre no nível lexical e semântico.

Cada uma dessas variações recebe nomes específicos. Confira a nossa postagem sobre os diferentes tipos de variação linguística.

Compartilhe conhecimento...